Bolsonarista que matou eleitor de Lula foi levado para presídio em MT

0
118


O crime aconteceu na quarta-feira, 7, após discussão entre o bolsonarista e o lulista numa região de chácara do município de Confresa

O apoiador do presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), Rafael Silva de Oliveira, que matou o eleitor de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Benedito Cardoso dos Santos, foi transferido no sábado, 9, da cadeia pública para o presídio Porto Alegre do Norte (MT), a 28 quilômetros do município de Confresa e distante 1.157 quilômetros de Cuiabá.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Vitor Oliveira, as investigações serão concluídas em nove dias, tempo em que serão ouvidas mais testemunhas. O Ministério Público aguarda a conclusão do inquérito para se manifestar.

Neste sábado, 10, uma testemunha que teria estado com o suspeito na madrugada de quinta-feira, 8, foi ouvida pelo delegado.

A testemunha, um colega do Rafael, afirmou que foi procurado pelo suspeito na madrugada do dia 8 e que ele teria dito: “Fiz uma besteira, matei um cara. Acho que a polícia vai me pegar.”

Para confirmar o que estava dizendo, Rafael mostrou à testemunha um vídeo no celular com imagens da vítima já morta no chão. Em seguida, ele pediu uma carona para chegar a Porto Alegre do Norte. A viagem, no entanto, não aconteceu, porque o carro estava quebrado.

Como não conseguiu a carona, Rafael entregou o celular para a testemunha, que o repassou para o delegado neste sábado. “Quando o celular foi entregue na delegacia estava formatado e não foi possível confirmar se havia imagens da vítima, mas vamos solicitar perícia no aparelho”, disse Oliveira.

O juiz da 3ª Vara de Porto Alegre do Norte, Carlos Eduardo Pinto, nomeou o advogado dativo Matheus Boss para a defesa do suspeito. Confresa e Porto Alegre do Norte não dispõem de Defensoria Pública.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ross acompanhou a audiência de custódia e confirmou, como Broadcast (sistema de notícias em tempo actual do Grupo Estado) antecipou na sexta-feira, que o autor do crime foi preso na cerâmica onde ele trabalhava, e não no hospital. O advogado disse que não poderia fornecer mais detalhes do caso, mas para ele ficou claro que a motivação foi de ordem política.

Benedito Cardoso dos Santos, de 44 anos, trabalhava numa chácara que fornecia lenha para a cerâmica Tijolão, onde Rafael Silva de Oliveira, de 22, trabalhava por empreitada.

O crime aconteceu na quarta-feira, 7, após discussão entre o bolsonarista e o lulista numa região de chácara do município de Confresa. O corpo da vítima foi encontrado no dia seguinte por Lourival da Costa e Silva por volta das 11 horas, próximo à Agrovila Luminar.

Estadão Conteúdo


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here