Estudo da CAPESESP vencedor do Prêmio Saúde 2021 é apresentado no 13º Seminário UNIDAS

0
96


Pesquisa mostrou que a autoavaliação da saúde demonstra ser um bom preditor de mortalidade em uma população, auxiliando na gestão assistencial

O estudo intitulado “Autopercepção de saúde como preditor de mortalidade: estudo retrospectivo em uma corte de beneficiários do Plano de Saúde” realizada pela CAPESESP (Caixa de Previdência e Assistência aos Servidores da Fundação Nacional de Saúde), de autoria dos médicos João Paulo dos Reis Neto, diretor-presidente da CAPESESP (Caixa de Previdência e Assistência aos Servidores da Fundação Nacional de Saúde) e Juliana Martinho Busch, diretora de Previdência e Assistência da instituição, foi apresentada durante o 13º Seminário UNIDAS.

Os dados da publicação – vencedora do Prêmio Saúde UNIDAS 2021, mostraram a importância da correlação entre a autopercepção dos pacientes sobre seu estado de saúde e os desfechos clínicos.
O estudo constatou que pacientes que achavam sua saúde ruim tiveram o risco de morte subsequente aumentado em 1,9 vezes em relação ao grupo que by way of sua saúde como boa.

“A autopercepção de saúde é uma medida de desfecho comumente usada em estudos de epidemiologia social. Embora passível de sofrer influências multifatoriais, como as socioeconômicas, culturais e comorbidades associadas, neste estudo, o risco de morte foi maior no grupo que percebeu sua saúde como ruim, sugerindo que escores mais baixos de autopercepção podem ajudar a identificar indivíduos em risco, explica Reis Neto.

“A CAPESESP, durante a realização de um inquérito epidemiológico em 2017, incluiu uma pergunta visando saber como o beneficiário do plano de saúde avaliava a sua saúde naquele momento. A partir dos resultados, realizamos uma série de cruzamento de dados com outros indicadores sociais, demográficos e de saúde. Os resultados dessa simples pergunta podem ajudar o gestor a desenvolver uma série de linhas de cuidados e ações em saúde”, explicou Juliana Busch, coautora da pesquisa.

Dentre os principais resultados, a idade avançada foi a que mais contribuiu para uma avaliação negativa do estado de saúde. Homens, pessoas que não são casadas ou possuem união estável, pessoas com baixa renda e menor escolaridade também tenderam a avaliar negativamente sua saúde. Além disso, portadores de doenças crônicas as possibilities de autoavaliar a saúde como ruim extrapolou em quase quatro vezes que pessoas sem essa condição.

Prêmio Saúde UNIDAS
A CAPESESP foi vencedora do Prêmio Saúde UNIDAS 2021 na categoria melhores trabalhos de filiadas. Para o presidente da UNIDAS, Anderson Mendes, a premiação é um reconhecimento à pesquisa científica e ao desenvolvimento do setor. “Precisamos premiar os excelentes trabalhos feitos dentro das autogestões e da saúde suplementar como um todo. A ciência deve pautar as decisões dos gestores de saúde e o Prêmio Saúde UNIDAS é um estímulo para esta mentalidade de gestão”, disse.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here